Certa manhã bem cedo, o meu pai convidou-me para ir ao bosque a fim de ouvir o cantar dos pássaros. Aceitei com grande alegria e lá fomos nós, humedecendo os nossos sapatos com o orvalho da relva. Ele se parou numa clareira e, depois de um pequeno silêncio, perguntou- me:

– Estás a ouvir alguma coisa para além do canto dos pássaros?

Apurei o ouvido alguns segundos e respondi:

– Estou a ouvir o barulho de uma carroça que deve estar a descer pela estrada.

– Isso mesmo…disse ele. É uma carroça vazia. Sabes porquê?

– Não, respondi intrigado.

Então, o meu pai pôs-me a mão no ombro e olhou bem no fundo dos meus olhos, E disse:

– Por causa do barulho que faz.

– Quanto mais vazia a carroça, maior é o barulho que faz.

Não disse mais nada, porém deu-me muito em que pensar. Tornei-me adulto. E, ainda hoje, quando vejo uma pessoa tagarela e inoportuna, interrompendo intempestivamente a conversa, ou quando eu mesmo, por distracção, me vejo prestes a fazer o mesmo, imediatamente tenho a impressão de estar a ouvir a voz do meu pai soando na clareira do bosque e me ensinando:

– Quanto mais vazia a carroça, maior é o barulho que faz!

Cursos Online na Área de Pedagogia

Anúncios