Na navegação antiga, costumava-se amarrar uma corda na ponta externa do vergalhão da vela principal e prendê-la na amurada do navio. Porém, em dias de vento forte, um marinheiro ficava encarregado de esticar ou afrouxar a vela, conforme a força do vento.

Se ele mantivesse a vela frouxa, perdia-se velocidade. Por outro lado, se ele mantivesse a vela esticada demais, o vento podia rasgá-la ou, até mesmo, fazer o barco capotar.

Este ato de afrouxar a vela era chamado de PERDÃO. O capitão gritava com ele: “Perdoa!”. Isto é, deixa o vento passar.

Perdoar é isso, DEIXAR PASSAR!

“Se alguém tiver queixa contra outro, assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também.” – Colossenses 3.13

Cursos Online na Área de Contabilidade e Economia

Anúncios